Você está aqui

Rio de Janeiro (33)

Código: 
33
Nível: 
Estado

Informações no sistema

Período: 2.007 a 2.018
Número total de vínculos (RAIS): 72.491.818
Número total de registros de acidentes e doenças do trabalho (AEAT): 533.045
Número de notificações de agravos relacionados ao trabalho (SINAN): 50.845

Desde 2004 a ENSP marca presença em redes sociais. Na época, tratava-se de mais um canal de comunicação para a Escola, onde era possível ter acesso, principalmente, a estudantes da pós-graduação. Hoje, os fatos apontam em outra direção: o Facebook, maior rede social do mundo, recebe mais visitas do que o Google, maior site de busca do mundo. Portanto, para as instituições públicas, estar nas redes sociais é mais do que abrir um importante canal de diálogo com a sociedade: é também trabalhar com transparência na prestação de contas e de informações para o cidadão.

Aliar as mudanças pelas quais passa o mundo do trabalho à história da saúde do trabalhador no Brasil requer, além de vasta experiência no campo, ampla atuação na elaboração de políticas públicas e programas de saúde do trabalhador no âmbito do SUS. Valendo-se dessa bagagem, o Centro de Estudos da Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana da ENSP promoverá uma aula aberta, na segunda-feira (11/7), com os pesquisadores Anamaria Tambellini, da Comissão da Verdade da Reforma Sanitária, e José Marçal Jackson Filho, da Fundacentro.

Para incentivar governos a adotarem políticas públicas de desenvolvimento e de Recursos Educacionais Abertos, a Unesco abriu consulta pública para a terceira versão da Declaração de Paris. O documento consolidado será apresentado para assinatura dos países membros da Unesco no Congresso Mundial sobre Recursos Educacionais Abertos de 2012, que será realizado entre 20 e 22 de junho, em Paris. Em 2011, a ENSP aderiu ao Movimento Internacional de Acesso Livre ao conhecimento e mantém a Biblioteca Multimídia, uma experiência que garante o acesso livre ao seu acervo, desde 2004.

Na entrevista concedida ao Informe ENSP por Marcelo Firpo, pesquisador do Centro de Estudos da Saúde do Trabalhador (Cesteh/ENSP), e Renan Finamore, doutorando da ENSP e pesquisador do projeto Environmental Justice Organisations, Liabilities and Trade (EJOLT), eles explicaram como acontece a contaminação por urânio e os riscos da mineração do urânio para os trabalhadores e a população que reside no entorno das mineradoras, inclusive dos casos suspeitos de câncer.

Levantamento realizado pelo INCA apontou 19 tipos de tumores malignos que podem ter relação com as profissões. Entre eles, o câncer de pele, laringe, fígado, leucemias, câncer de mama e pulmão.

Para facilitar a identificação da causalidade de determinados tipos de câncer por agentes específicos e levar a políticas públicas de revisão dos ambientes de trabalho insalubres, o INCA lançou nesta segunda-feira, 30, a publicação Diretrizes para a vigilância do câncer relacionado ao trabalho.

As relações desumanas de direito, saúde, dignidade e trabalho, sob as quais os trabalhadores do agronegócio da cana-de-açúcar estão submetidos no corte da cana e nas usinas canavieiras, foram expostas durante a sessão científica do Grupo Direitos Humanos e Saúde da ENSP, na quinta-feira (3/5). A atividade marcou o lançamento do documentário Conflito, dirigido por José Roberto Novaes, e comoveu o público pela dura realidade e alta exploração do trabalho, a partir do depoimento da diretora da Federação dos Empregados Rurais Assalariados do Estado de São Paulo (Feraesp), Carlita da Costa.