Você está aqui

Região Sudeste (3)

Código: 
3
Nível: 
Região

Informações no sistema

Período: 2.007 a 2.017
Número total de vínculos (RAIS): 380.699.810
Número total de registros de acidentes e doenças do trabalho (AEAT): 3.771.199
Número de notificações de agravos relacionados ao trabalho (SINAN): 663.314

Movimentos sociais e pesquisadores afirmam que é possível e urgente produzir sem venenos que afetam a saúde humana e do meio ambiente

De 7 a 9 de Maio de 2013, no CEREST Pindamonhangaba.

Público-alvo: Técnicos em Segurança do Trabalho: 7 de maio

19h—Inscrição.
19:30h—Ampliação conceitual da análise de acidentes de trabalho + Análise de mudanças e barreiras, porTST Samantha Faria.
21h—Implicações e Conduta Médica frente ao Acidente de Trabalho, por Dr. Celso Araujo.
22h—Encerramento.

No dia 28 de fevereiro é comemorado o Dia Internacional de Prevenção as Lesões por esforço repetitivo (LER) Distúrbios Osteomusculares relacionados ao Trabalho (DORT). Com o intuito de conscientizar a população sobre o tema, os fisioterapeutas da Secretaria Municipal de Saúde de Ubá (Abel Alves Marcelo e Geovane Elias Guidini Lima)  e do Centro de Referência em Saúde do Trabalhador – CEREST, Rafaela Silva Oliveira de Faria, realizaram nesta semana ações educativas nas rádios nos meios de comunicação da cidade.

 

Uma ação civil pública movida pelo Ministério Público do Trabalho do Rio de Janeiro pede indenização no valor de R$ 1 bilhão a ser paga pela empresa Eternit, por manter seus trabalhadores em risco devido à exposição ao amianto, fibra considerada cancerígena pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Para o diretor da ENSP e pesquisador especialista no tema, Hermano Castro, “esta indenização é mais do que justa porque a própria indústria do amianto tem conhecimento de que a fibra causa grandes danos à saúde, entre eles o mesotelioma, que é o câncer na pleura”, afirmou.

O uso intensivo de agrotóxicos no Brasil tem sido pauta de eventos na ENSP e na Fiocruz. Com a proximidade da Rio+20, o tema ganha novo fôlego. Em seminário realizado na ENSP nos dias 4 e 5 de junho, representantes de várias instituições discutiram o enfrentamento dos impactos dos agrotóxicos na saúde humana e no ambiente como forma de comemorar o Dia Mundial do Meio Ambiente (5/6).

O controle social e a importância do nexo coletivo para a saúde do trabalhador é o tema do próximo Centro de Estudos Miguel Murat, no dia 16 de abril. O encontro contará com a presença dos palestrantes Heleno Corrêa Filho, professor da Unicamp, Antônio de Marco Rasteiro, coordenador-geral da Associação dos trabalhadores expostos a substâncias químicas, e Glória Nozella Lima, representante do Sindicato de Químicos Unificados, regional de Campinas. A coordenação do evento ficará a cargo do pesquisador da Escola, Francisco Pedra.

Um dos objetivos é discutir aspectos atuais de pesquisa e políticas públicas de prevenção de acidentes

Entre os dias 26 e 29 de agosto será realizado, em São Paulo, o 1º Seminário Internacional de Análise e Prevenção de Acidentes. O evento está sendo organizado pelo “Fórum de Acidentes do Trabalho: análises, prevenção e aspectos associados”, iniciativa de pesquisa, extensão e educação permanente organizado conjuntamente por docentes da Faculdade de Medicina de Botucatu/Unesp (FMB) e da Faculdade de Saúde Pública da USP.

Pesquisadores da USP (Universidade de São Paulo) e a coordenadora do Cerest (Centro de Referência em Saúde do Trabalhador) Piracicaba, Clarice Bragantini, apresentaram ao secretário de Saúde do município, Pedro Mello, os detalhes do projeto de pesquisa “Acidente de trabalho: da análise sociotécnica à construção de mudanças”, realizado pelo serviço de saúde do trabalhador piracicabano em parceria com instituições acadêmicas.

Terceirização, agrotóxicos, maioridade penal, o assassinato de um médico na Lagoa Rodrigo de Freitas, o corte de recursos da saúde. São tanto os temas que palpitam na vida política nacional, que se chega a perder o fôlego ao dizê-los assim, de uma só vez. Há quem possa achá-los monótonos ou espinhosos, mas ao se recusar debatê-los, emerge, como um fantasma, uma antiga máxima, atribuída a pelo menos um par de pensadores, como devem ser os bons axiomas: aquele que, por não gostar, se recusa a debater política, acaba governado pelos que gostam.