Você está aqui

acidente de trabalho

Os acidentes de transporte são responsáveis por um conjunto significativo de óbitos e lesões. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), apenas os acidentes terrestres resultaram em 1,2 milhão de mortes em todo o mundo, acometendo principalmente jovens do sexo masculino em fase produtiva, de 15 a 29 anos, em 2012.1 No Brasil, entre os anos de 2000 e 2014, o número de óbitos por esses acidentes aumentou de 28.995 para 43.780; a taxa de mortalidade elevou-se de 17,6 para 21 óbitos/100 mil habitantes. 

Na Fundacentro do Paraná será realizado o curso “A Ergonomia construindo o Método de Árvore de Causas”, que terá como conteúdo programático temas voltados a abordagem da ergonomia; técnicas de entrevista; introdução à Engenharia de Sistemas e o Método de Árvore de Causas.

Para a docente, pesquisadora da Fundacentro do Paraná e especialista em Ergonomia, Mey Rose de Mello Pereira Rink transformar o trabalho é a finalidade primeira da ação ergonômica.

O Centro de Estudos da Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana da Escola Nacional de Saúde Pública (Cesteh/ENSP) promoveu, no dia 3 de maio, o evento Acidentes de Trabalho no Brasil: realidades e desafios, em memória ao Dia Mundial das Vítimas de Acidentes de Trabalho e Doenças do Trabalho, lembrado em 28 de abril, e em comemoração ao Dia do Trabalhador, celebrado mundialmente em 1º de Maio.

Em atenção ao dia 28/04/18, quando se celebra o dia internacional em memória às vítimas de acidentes e doenças relacionadas ao trabalho, o Ministério da Saúde (MS), por intermédio da Coordenação Geral de Saúde do Trabalhador (CGST)/Departamento de Vigilância Ambiental e Saúde do Trabalhador (DSAST)/Secretaria de Vigilância em Saúde, realiza o presente seminário.

Objetivos: Discutir a temática de acidentes e doenças relacionados ao trabalho e seus impactos na vida da trabalhadora e do trabalhador.

Data: 27/04/18

A Comissão de Assuntos Sociais (CAS) aprovou nesta quarta-feira (4) o relatório da senadora Ana Amélia (PP-RS) favorável ao projeto do senador Paulo Paim (PT-RS) que institui no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) uma nova política voltada para a toxicologia (PLS 56/2014).

A saúde do trabalhador vem sendo progressivamente assumida pelo Sistema Único da Saúde, a partir da promulgação da Constituição da República, em 1988. A novidade que o texto constitucional trouxe foi o reconhecimento de que é atribuição da saúde executar as ações de saúde do trabalhador.

Na próxima terça-feira, 30 de maio, será realizada mais uma webconferência fruto da parceria entre o Centro de Estudos da Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana (Cesteh/ENSP) e a Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP), através Rede Universitária de Telemedicina (RUTE). Com o tema Acidentes de trabalho graves e fatais em menores de 18 anos, a webconferência contará com a participação da coordenadora Estadual de Saúde do Trabalhador de São Paulo, Simone Alves dos Santos.

A partir das 14h do dia 5 de setembro, estará aberto o pré-cadastro para participar de seleção do curso “Método da Árvore de Causas na Investigação e Análise de Acidentes do Trabalho”.

De acordo com o coordenador técnico do curso, Leonidas Ramos Pandaggis, o pré-cadastro que antecede a realização do curso tem como objetivo fazer uma seleção quanto à formação profissional e o campo de atuação dos alunos, para um melhor aproveitamento do curso em face da missão institucional da Fundacentro.

Nas propagandas e nos filmes, a moto é um símbolo de liberdade: vento no rosto, velocidade, agilidade. Mas a vida real tem mostrado que o preço de se locomover e trabalhar sobre duas rodas é alto. Entre 2008 e 2013, o número de internações por acidentes com motocicletas aumentou 115% no Brasil. Prioridade para o transporte rodoviário, incentivos ao consumo, cidades engarrafadas e a pressa do cotidiano estão entre os fatores que motivaram o aumento da frota de motos no país e, consequentemente, dos acidentes.

Estima-se a mortalidade anual por acidentes de trabalho na agropecuária, 2000-2010, no Brasil. Empregou-se o Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM), para identificar os casos. Dados faltantes para ocupação e acidente de trabalho foram recuperados com informações individuais disponíveis, e incorporados casos ao total. Dados da população são dos Censos Demográficos. Foram identificados 8.923 óbitos por acidentes de trabalho, sendo 44,8% destes resultantes da recuperação.