Você está aqui

Categorias profissionais

Este suplemento do volume 42 da Revista Brasileira de Saúde Ocupacional (RBSO) apresenta o Dossiê Temático “Exposição ocupacional ao benzeno na cadeia de distribuição e revenda de combustíveis no Brasil”, que traz para o debate produção elaborada a partir do aprendizado coletivo e da experiência de grupo de pesquisadores, técnicos e gestores do Sistema Único de Saúde (SUS), e de autores convidados, que atuam nas questões relacionadas com a exposição ao benzeno no trabalho, sobretudo por meio das ações dos Centros de Referência em Saúde do Trabalhador (Cerest).

O Centro Latino-Americano de Estudos de Violência e Saúde Jorge Careli (Claves/ENSP) desenvolve estudos com a finalidade de investigar os impactos das condições de trabalho no processo de adoecimento e morte dos policiais. Este foi o foco da exposição da pesquisadora Patrícia Constantino, em 14/10, durante sessão científica.

O Centro de Referência em Saúde do Trabalhador (Cerest) em Uberaba, no Triângulo Mineiro, começou nessa terça-feira (6) um curso preventivo para trabalhadores da construção civil. O objetivo é capacitar os profissionais e prevenir os acidentes de trabalho nas obras. “As principais causas de acidente são queda de altura, choque elétrico, soterramento e transporte de trabalhadores. Estamos tentando levantar as causas, o que acontece e qual seriam as medidas corretivas”, explicou o tecnologista da Fundacentro, Paulo César de Souza.

Os trabalhadores dos postos de gasolina são uma das categorias profissionais mais expostas ao benzeno, substância presente nos combustíveis e considerada cancerígena. O risco de contaminação se dá em ações comuns no cotidiano dos frentistas, como secar a mão em uma estopa e guardá-la no bolso, encher o tanque dos carros acima do "click" (margem de segurança) ou permanecer sem máscara enquanto os reservatórios dos postos são abastecidos. O benzenismo será tema do Centro de Estudos Miguel Murat de Vasconcellos da ENSP (Ceensp) na próxima quarta-feira, 23 de novembro.

A greve de policiais civis e militares e de bombeiros na Bahia - e uma tentiva frustrada no Rio de Janeiro - parece ser fruto de um processo histórico que vem desgastando a credibilidade desses profissionais junto à população - por meio da formação de uma imagem de ineficácia da sua atuação e de uma atuação corrupta - e também pelo desgaste da crença desses profissionais na possibilidade de obter condições dignas de trabalho, com melhores salários, equipamentos adequados, melhor formação e atenção aos seus problemas de saúde.

Nos últimos anos o governo brasileiro no embalo do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) fez investimentos significativos em grandes canteiros de obras, como a expansão de portos, aeroportos e sistemas rodoviários favorecendo a mobilidade urbana. Além disso, no ano passado, o Brasil foi sede da Copa do Mundo e no próximo ano sediará os Jogos Olímpicos, exigindo infra-estrutura física adicional para esses eventos. Essas atividades trouxeram em seu bojo não apenas aumento na ocorrência e registros de acidentes como também importantes impactos ambientais e na vida de populações residentes nas áreas afetadas. Desastres e acidentes na construção civil têm sido alvo de estudos apoiados em novas metodologias e construídos com apoio em estratégias multi-institucionais e multiprofissionais pouco conhecidas e utilizadas em nosso país. Exemplos de abordagens desse tipo foram aplicadas quando da construção do Parque Olímpico de Londres e também no estado de São Paulo.

Uma doença de sintomas silenciosos, mas que pode ser fatal. O benzenismo - intoxicação por benzeno - foi um dos principais assuntos discutidos no Seminário Campanha Estadual de Segurança e Saúde - Projeto Postos de Combustíveis que encerrou a semana de atividades sobre a saúde dos frentistas, ocorrida no final do mês de setembro, no Rio de Janeiro. Organizado pelo sindicato da categoria, o evento contou com a participação de dois pesquisadores da ENSP: Antônio Sérgio de Almeida e Rita Mattos, ambos do Centro de Estudos da Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana (Cesteh).

A morte que ocorre no trabalho não pode ser encarada com naturalidade: é preciso buscar os responsáveis e também estratégias para que outros trabalhadores não sejam vitimados pelos mesmos motivos. Partindo desse entendimento e com o intuito de propiciar um debate amplo sobre o assunto, o TRT/RJ promoveu, através da sua Escola Judicial (EJ1), na manhã desta sexta-feira (31/7), uma audiência pública com o tema A morte no trabalho - inventário da realidade brasileira, no Prédio-Sede.

O programa Outro Olhar apresenta a cobertura especial feita na audiência pública do Tribunal Regional do Trabalho, realizada pela Escola Judicial do Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região (EJ1) em 31 de julho de 2015.