Mercúrio

Caracterização:

Hg – O mercúrio metálico é um líquido branco-prateado à temperatura ambiente. É encontrado na natureza na forma de sulfeto (HgS), no minério de cinábrio. De maneira geral, o mercúrio é dividido em dois grupos:

  • mercúrio inorgânico: mercúrio metálico e seu vapor, sais: íon mercúrico (Hg++) e seus sais e íon mercuroso (Hg2++) e seus sais;
  • mercúrio orgânico: metilmercúrio, acetato de etilmercúrio, cloreto de etilmercúrio, fosfato de etilmercúrio, diciandimida de metilmercúrio e vários outros compostos.

O mercúrio pode ser produzido em fontes naturais ou artificiais. As fontes naturais são o vulcanismo, a desgaseificação da crosta terrestre e a erosão e a dissolução de minerais das rochas devido à penetração da água através delas, durante períodos muito prolongados. As fontes artificiais são aquelas que derivam da utilização do mercúrio pelo homem.

Uso e exposição:

A extração do minério de mercúrio e a fabricação de seus compostos constituem fontes de exposição aos trabalhadores.

No Brasil, as atividades em garimpos de ouro, a amalgamação do minério e a extração do ouro a quente, assim como preparação e aplicação de amálgamas para restaurações dentárias constituem as principais atividades ocupacionais de risco à saúde.

O mercúrio é empregado na fabricação de aparelhos: barômetros, termômetros, manômetros, interruptores, lâmpadas, válvulas eletrônicas, ampolas de raio X e retificadores.

O cloreto de mercúrio (I) (Hg2Cl2) é utilizado como medicamento tópico para rashes e úlceras cutâneas e como antisséptico. É empregado também na composição de agrotóxicos, tintas para cerâmica e em fogos de artifício.

O  cloreto de mercúrio (II) (HgCl2) é empregado na indústria química como reagente analítico em sínteses orgânicas e forma a base de compostos para feltragem e secretagem de pêlos, crinas e plumas, e de substâncias para empalhamento de animais. Ele é utilizado no curtimento do couro e como fungicida no tratamento de sementes e brilhos vegetais, e na proteção de madeira.

O óxido de mercúrio (HgO) representa um risco de incêndio quando próximo a produtos orgânicos. É empregado em produtos farmacêuticos, perfumaria e cosméticos, em antissépticos, em fungicidas, como pigmento para tintas e em baterias de células secas (especialmente as utilizadas em equipamentos miniaturizados).

O  cianeto potássico de mercúrio [Hg(CN)22KCN] é aplicado em douração e estanhagem de vidros para a fabricação de espelhos.

O fulminato de mercúrio [Hg(CNO)2] é empregado na fabricação de espoletas e como detonante de explosivos para emprego militar ou industrial.

O tiocianato de mercúrio [Hg(SCN)2] é utilizado na produção de fogos de artifício e como intensificador na indústria fotográfica.

O sulfeto de mercúrio (HgS) é utilizado como pigmento vermelho ou preto para fabricação de tintas.

O sulfato de mercúrio (HgSO4) é empregado na galvanização de baterias e no tratamento a quente de amálgamas de ouro e prata, na recuperação destes metais.

O estearato de mercúrio [(C17H35CO2)2Hg] é utilizado como germicida

Brasil, Doenças relacionadas ao trabalho: manual de procedimentos para os serviços de saúde, 2001, p.526)

Doenças casualmente relacionadas ao mercúrio e seus compostos:

  • Outros transtornos mentais decorrentes de lesão e disfunção cerebrais e de doença física (F06.-)
  • Transtornos de personalidade e de comportamento decorrentes de doença, lesão e de disfunção de personalidade (F07.-)
  • Transtorno Mental Orgânico ou Sintomático não-especificado (F09.-)
  • Episódios Depressivos (F32.-)
  • Neurastenia (Inclui Síndrome de Fadiga) (F48.0)
  • Ataxia Cerebelosa (G11.1)
  • Outras formas especificadas de tremor (G25.2)
  • Transtorno extrapiramidal do movimento não-especificado (G25.9)
  • Encefalopatia Tóxica Aguda (G92.1)
  • Encefalopatia Tóxica Crônica (G92.2)
  • Arritmias cardíacas (I49.-)
  • Gengivite Crônica (K05.1)
  • Estomatite Ulcerativa Crônica (K12.1)
  • Dermatite Alérgica de Contato (L23.-)
  • Doença Glomerular Crônica (N03.-)
  • Nefropatia Túbulo-Intersticial induzida por metais pesados (N14.3)
  • Efeitos Tóxicos Agudos (T57.1)

Brasil, Doenças relacionadas ao trabalho: manual de procedimentos para os serviços de saúde, 2001, p.539)

Bibliografia:

ZAVARIZ, Cecília; GLINA, Débora Miriam Raab. Avaliação clínico-neuro-psicológica de trabalhadores expostos a mercúrio metálico em indústria de lâmpadas elétricas. Rev. Saúde Pública,  São Paulo,  v. 26,  n. 5, out.  1992 .   Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89101992000500010&lng=pt&nrm=iso>. acessos em  21  jan.  2013.  http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101992000500010.

FARIA, Marcília de Araújo Medrado. Mercuralismo metálico crônico ocupacional. Rev. Saúde Pública,  São Paulo,  v. 37,  n. 1, fev.  2003 .   Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102003000100017&lng=pt&nrm=iso>. acessos em  21  jan.  2013.  http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102003000100017.

LIMA, Eliane Regina Zampieri de; COLON, Janaína Calmon; SOUZA, Márcia Tiveron de. Alterações auditivas em trabalhadores expostos a mercúrio. Rev. CEFAC,  São Paulo,  2009 .   Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-18462009000500010&lng=pt&nrm=iso>. acessos em  21  jan.  2013. Epub 06-Mar-2009.  http://dx.doi.org/10.1590/S1516-18462009005000003.

COLACIOPPO, Sérgio. Estudo comparativo entre meios de captação de vapores de mercúrio para avaliação do risco de intoxicação profissional. Rev. Saúde Pública,  São Paulo,  v. 11,  n. 3, set.  1977 .   Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89101977000300010&lng=pt&nrm=iso>. acessos em  21  jan.  2013.  http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101977000300010.

 

Veja também: