Você está aqui

globalização

Em seu comentário da semana, Luiz Gonzaga Belluzzo aborda a falta de cobertura correta da mídia brasileira ao desabamento do prédio que abrigava várias unidades manufatureiras em Bangladesh. Para o economista, o incidente, que matou mais de mil pessoas, tem mais significados. O aumento da mão de obra intensiva, do risco que os trabalhadores correm em decorrência às condições precárias do ambiente em que operam, e salários cada vez mais baixos são frutos da unificação dos mercados de trabalho.

Local: UNESP - Marilia

De 25 a 28 de junho de 2012

Promoção:
RET - Rede de Estudos do Trabalho

Apoio:
Universidade Estadula Paulista "Julio de Mesquita Filho" - UNESP - Marilia
Grupo de Pesquisa "Estudos da Globalização" - GPEG
Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais (Mestrado e Doutorado) - Unesp- Marilia
Departamento de Sociologia e Antropologia - DSA

Inscrições Abertas de 28 de março a 25 de maio de 2012 clique aqui

Parte do Projeto Formação em Cidadania para a Saúde, o Curso Capitalismo e Saúde, que já passou pela cidade de Cascavel, agora será ministrado em Ribeirão Preto, de 18 a 20 de maio de 2012. Faça já sua inscrição gratuita!

O Curso irá abordar:

Inovações sem precedentes no mundo do trabalho oferecem “inúmeras oportunidades”, mas os países devem agir para que elas não criem mais desigualdades e incertezas, segundo um novo relatório da Organização Internacional do Trabalho (OIT) divulgado nesta terça-feira (22).

Com sete edições, o Seminário do Trabalho já se consolidou como um evento de referência para a UNESP – Campus de Marília, por se constituir como um importante espaço de debate crítico e de troca de experiências entre diversos pesquisadores do Brasil e do mundo voltados para as questões pertinentes ao mundo do trabalho, em especial para as situações decorrentes das transformações do capitalismo global.

"Descarto a ideia de que o sistema mundial está vivendo uma crise. Há uma crise econômica e financeira na Europa e, talvez, uma crise social, por derivação das políticas adotadas para controlar o problema financeiro naquele continente. Também existiu e ainda existe uma crise econômica e financeira nos EUA, mas isso não é mundial. É um vício tratar como mundial algo que acontece em função dos Estados Unidos e da Europa".