Você está aqui

ergonomia

Profissionais técnicos da área da ergonomia, saúde do trabalhador, entidades de classe, e pessoas que atuam na área de proteção aos direitos dos trabalhadores pelo trabalho digno e decente divulgam contribuições para a revisão da NR17 buscando a efetividade das ações de prevenção de acidentes e doenças relacionados ao trabalho. 

Apresentação

Segundo o provérbio popular, “o que os olhos não veem, o coração não sente”.

A sabedoria contida nesse provérbio mostra-se muito apropriada ao mundodo trabalho, e ainda mais ao trabalho rural. Os olhos da sociedade não costumam ver osproblemas experimentados todos os dias por muitos de seus trabalhadores. O sofrimento no trabalho é, com frequência, suportado pelas vítimas de forma quase invisível.

Os acidentes são fenômenos complexos, cuja determinação situa-se na organização do trabalho, dimensão invisível aos agentes de vigilância. O objetivo deste artigo é analisar e comparar o alcance das intervenções realizadas em uma empresa frigorífica, em 1997, baseada na checagem de normas de saúde e segurança, e em 2008, quando se incorpora a ergonomia da atividade. Foi realizado estudo de caso com análise documental referente à intervenção de 1997 e análise ergonômica do trabalho adotada em 2008. Em 1997 as ações de vigilância incidiram principalmente sobre os fatores de risco visíveis.

A influência da Ergonomia praticada nos países de língua francesa, por meio, sobretudo, da metodologia da Análise Ergonômica do Trabalho (AET), é marcante em diversos campos – profissional, pesquisa e normativo – do desenvolvimento da Ergonomia no Brasil.

O prazo  para submissão de artigos para o dossiê temático “Contribuição da Análise Ergonômica do Trabalho nos desenvolvimentos da Ergonomia no Brasil” foi estendido até 30 de abril de 2013.

CHAMADA PARA ARTIGOS

RBSO convida a comunidade técnico-científica a submeter artigos para o DOSSIÊ TEMÁTICO Contribuição da Análise Ergonômica do Trabalho nos desenvolvimentos da Ergonomia no Brasil

Tags: