Saúde do Trabalhador

"O discurso da saúde do trabalhador emerge, do ponto de vista acadêmico, político e institucional na saúde coletiva, em contrposição à base conceitual e prática das concepções hegemônicas sobre a relação trabalho-saúde da medicina do trabalho (MT) e da saúde ocupacional (SO). Como parte integrante do campo da saúde oletiva, propõe-se a ultrapassar as articulações simplificadas e reducionaistas entre causa e efeito de ambas as concepções que são sustentadas por uma visão monocausal, entre doença e um agente específico; ou multicausal, entre a doença e um grupo de fatores de riscos (físicos, químicos, biológicos, mecânicos), presentes no ambiente de trabalho.

"Em princípio, a identidade do campo de saúde do trabalhador tem como referência a abordagem saúde ocupacional, ao mesmo tempo que busca superá-la [...]. A saúde do trabalhador agrega, além dessas [medicina e engenharia de segurança] um amplo espectro de disciplinas. Como campo de saber próprio da saúde coletiva, está composta pelo tripé epidemiologia, administração e planejamento em saúde e ciências sociais em saúde, ao que se somam disciplinas auxiliares [...]

"No âmbido da 'produção de conhecimentos', o campo da saúde do trabalhador tem, como marco definidor, a compreensão dos vários níveis de complexidade entre o trabalho e a saúde e, como conceito nucleador, o processo de trabalho [...], extraído da economia política - entendido como o cenário primário da exploração e da confrontação de classe -, quando adotado em toda a sua extenção teórica tem um elevado porder explicativo ada gênese dos agravos à saúde em coletivos diferenciados de trabalhadores.

"As potencialidades da análise dos processos de trabalho no entanto vêm condicionadas à adoção do tratamento interdisciplinar requerido para estabelecer e articular dois planos. O primeiro contempla o contorno social, econômico, político e cultural, definidor das relações travadas nos espaços econômico, político e cultural, definidor das relações travadas nos espaços de trabaho e das condições de reprodução dos trabalhadores; e o segundo se refere a determinadas características dos processos de trabalho com potencial repercussão na saúde, inclusive a subjetividade dos trabalhadores. " (Minayo, 2011. Campo da saúde do trabalhador: trajetória, confirguração e transformação. In Minayo et al, Saúde do trabalhador na sociaedade contemporânea)


"Em síntese, por Saúde do Trabalhador compreende-se um corpo de práticas teóricas interdisciplinares - técnicas, sociais, humanas - e interinstitucionais, desenvolvidas por diversos atores situados em lugares sociais distintos e informados por uma perspectiva comum. Essa perspectiva é resultante de todo um patrimônio acumulado no âmbito da Saúde Coletiva, com raízes no movimento da Medicina Social latino-americana e influenciado significativamente pela experiência italiana. O avanço científico da Medicina Preventiva, da Medicina Social e da Saúde Pública, durante os anos 60 e o início da década de 70, ao suscitar o questionamento das abordagens funcionalistas, ampliou o quadro interpretativo do processo saúde-doença, inclusive em sua articulação com o trabalho. Reformula-se o entendimento "das relações entre o social e as manifestações patológicas, a categoria trabalho aparecendo como momento de condensação, em nível conceitual e histórico, dos espaços individual (corporal) e social" (Donnangelo, 1983: 32). Na crítica ao modelo médico tradicional, atinge-se a compreensão de que "a medicina não apenas cria e recria condições materiais necessárias à produção econômica, mas participa ainda da determinação do valor histórico da força de trabalho e situa-se, portanto, para além dos seus objetivos tecnicamente definidos" (Donnangelo, 1979:34)." (Minayo-Gomez e Thedim-Costa, 1997)


Saúde do trabalhador: desafios conceituais e estruturais - Heleno R. Corrêa Filho

Palestra de Heleno R. Corrêa Filho, professor da Faculdade de Medicina da Unicamp, proferida durante o Seminário do Observatório de Saúde do Trabalhador, organizado pelo Centro de Estudos do Trabalhador e Ecologia Humana (Cesteh/ENSP), realizado no Auditório do Salão Internacional da Ensp no dia 23 de junho de 2009.

O Profº Heleno mostrou os modelos (higienista, participacionista e coletivista) de saúde pública em vários períodos da história e a evolução dos conceitos da saúde do trabalhador com a medicina do trabalho, saúde ocupacional, auditoria fiscal médica, medicina empresarial, assessoria médica patronal, saúde ambiental, saúde do trabalhador e possíveis alternativas para promover a saúde do meio ambiente, do ambiente de trabalho e da saúde do trabalhador. Os arquivos estão disponíveis para leitura, audição e/ou download nos ícones ao lado.

Fonte: Biblioteca multimídia da ENSP, 23/06/2009

 

 


Bibliografia

SAÚDE DO TRABALHADOR NA SOCIEDADE BRASILEIRA CONTEMPORÂNEA. Gomez CM, Machado JMH, Pena PGL, organizadores. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 2011. 540p. DOI: http://dx.doi.org/10.7476/9788575413654

MENDES, René; DIAS, Elizabeth Costa. Da medicina do trabalho à saúde do trabalhador. Rev. Saúde Pública,  São Paulo,  v. 25,  n. 5, Oct.  1991 .   Available from http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89101991000500003&lng=en&nrm=iso. access on  23  Sept.  2011.  http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101991000500003.

LACAZ, Francisco Antonio de Castro. Reforma Sanitária e saúde do trabalhador.Saude soc.,  São Paulo,  v. 3,  n. 1, July  1994 .   Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12901994000100005&lng=en&nrm=iso>. access on  30  Sept.  2011.  http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12901994000100005.

MINAYO-GOMEZ, Carlos; THEDIM-COSTA, Sonia Maria da Fonseca. A construção do campo da saúde do trabalhador: percurso e dilemas. Cad. Saúde Pública,  Rio de Janeiro,  1997.   Available from http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X1997000600003&lng=en&nrm=iso. access on  23  Sept.  2011.  http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X1997000600003.

LACAZ, Francisco Antonio de Castro. Saúde dos trabalhadores: cenário e desafios.Cad. Saúde Pública,  Rio de Janeiro ,  v. 13, supl. 2,   1997 .   Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X1997000600002&lng=en&nrm=iso>. access on  07  Aug.  2014.  http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X1997000600002.

GOMEZ, Carlos Minayo; LACAZ, Francisco Antonio de Castro. Saúde do trabalhador: novas-velhas questões. Ciênc. saúde coletiva,  Rio de Janeiro,  v. 10,  n. 4, Dec.  2005 .   Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232005000400002&lng=en&nrm=iso>. access on  23  Sept.  http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232005000400002.
 
LACAZ, Francisco Antonio de Castro. O campo Saúde do Trabalhador: resgatando conhecimentos e práticas sobre as relações trabalho-saúde. Cad. Saúde Pública,  Rio de Janeiro,  v. 23,  n. 4, Apr.  2007 .   Available from http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2007000400003&lng=en&nrm=iso. access on  23  Sept.  2011.  http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2007000400003.