AMIANTO E A SAÚDE DO TRABALHADOR DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

No início do mês de agosto técnicos da Coordenação de Saúde do Trabalhador, da Cidade do Rio de Janeiro, intensificaram ações de vigilância para coibir a comercialização de produtos contendo amianto, em particular as telhadas de fibrocimento que respondem por 92% do consumo, na intenção de verificar o cumprimento da lei estadual nº 3579 de 07 de junho de 2001, que foi ratificada pelo Tribunal de Justiça em 06 de abril de 2015. Nesta primeira fase, foram inspecionadas lojas de material de construção localizadas nos bairros Cidade Nova, Estácio e Rio Comprido da AP 1.0 e Grajaú, Maracanã, Praça da Bandeira, Tijuca e Vila Isabel.

Foram encontradas 14 empresas comercializando telhas contendo amianto representando 23% do total de empresas vistoriadas nestas áreas. As empresas foram intimadas a apresentem a nota fiscal de devolução do produto ou o manifesto de descarte do resíduo contendo amianto, por empresa especializada e credenciada pelo Instituto Estadual do Ambiente (INEA) e multadas.

Respirar as fibras do amianto é o suficiente para desenvolver o mesotelioma (câncer no pulmão) e a asbestose ou "pulmão de pedra". Nesse caso há o endurecimento do pulmão que leva a perda da qualidade de vida e à morte lentamente por graves dificuldades respiratórias. As doenças relacionadas ao amianto são incuráveis e podem levar muitos anos para se manifestar.Não há limite seguro de exposição.

As inspeções continuarão e serão expandidas às demais áreas da cidade e todos os bairros serão contemplados. Além dos comerciantes, grandes distribuidoras e indústrias de transformação do produto também serão inspecionadas no município do Rio de Janeiro.

Além do monitoramento do amianto realizado através das ações de fiscalização, no mês de agosto, 100% dos lojistas fiscalizados receberam informações sobre a legislação que proíbe a comercialização do amianto, o perigo do manuseio e o descarte, que quando indicado, deve ser realizado em aterro sanitário para resíduos classificados como perigosos. A medida tem como foco sensibilizar os comerciantes quanto a comercialização da substância cancerígena e criar a cultura do banimento do amianto na cidade do Rio de Janeiro. 

Nesta quarta, dia 30 de agosto de 2017, fiscalizaram a fábrica de fibrocimentos ETERNIT, localizada no bairro de Guadalupe. Foram encontradas mais de 55 mil peças de produtos com amianto e mais de 184 toneladas de matéria-prima, que é o amianto em estado bruto. A fábrica foi interditada e todo esse material terá que ser descartado adequadamente. 

Veja no vídeo um pouco dessa ação e saiba mais em http://bit.ly/2greWJr.

E matérias:

https://oglobo.globo.com/economia/prefeitura-proibe-uso-do-amianto-no-ri...